Mínimo Produto Viável: como implementar no seu negócio!

Você sabia que uma das metodologias mais conhecidas para o desenvolvimento de produtos e serviços é a do Mínimo Produto Viável?

Pois é!  A premissa é simples: validar o potencial de uma ideia antes de investir muito dinheiro nela.

Ótimo, não é mesmo?

Com este conteúdo, você vai ficar por dentro de quais são as etapas e de como desenvolvê-las para ter essa estratégia funcionando da maneira ideal em sua empresa!

Afinal, aqui você vai encontrar:

  • O que é MVP?
  • Por que fazer um Mínimo Produto Viável?
  • 5 passos para criar um Mínimo Produto Viável (MVP)?

Boa leitura!

Aproveite.

1. O que é MVP?

Derivado do inglês “Minimum Viable Product”, MVP se refere ao Mínimo Produto Viável, que em síntese é uma versão mais simples de um produto que é apresentado ao mercado para validar a solução junto aos consumidores e usuários.

Bacana, não é mesmo?

Desse modo, pode-se dizer que  MVP é considerado uma versão inicial que vai ser apresentada a um nicho reduzido para que o empreendedor consiga ter uma ideia do quão viável é o seu projeto, e assim, mapear os pontos que devem ser melhorados e os que estão funcionando bem.

Vale destacar que este resultado obtido por meio do Mínimo Produto Viável, apesar de ser composto pelas características mínimas, deve conter a proposta principal da solução para a qual foi criado, e não pode deixar de entregar algum valor ao cliente.

Mas não confunda: MVP não é um protótipo.

Pois um protótipo nem sempre reúne todas as condições para ser testado pelos clientes.

Além disso, o MVP não é uma entrega mal feita ou cheia de defeitos para que os clientes consigam analisar.

Pelo contrário, é necessário que esse produto ofereça o valor mais fundamental da startup para o usuário, porém em uma versão light.

Vem comigo para entender o porquê de investir em um Mínimo Produto Viável!

2. Por que fazer um Mínimo  Produto Viável?

Como vimos, o MVP é uma das principais formas para analisar os riscos e as oportunidades que envolvem o lançamento de uma ideia no mercado.

Isso porque ele proporciona:

Velocidade das mudanças : uma forma dinâmica de testar se a demanda do mercado continua a mesma.

Tecnologia permite desenvolvimento e testes: o que facilita o mapeamento dos pontos fracos e fortes do produto antes do lançamento oficial!

Coleta de informações: muito importante para definir a precificação e uma estratégia de lançamento.

Viu só? São inúmeras as vantagens advindas de criar um MVP antes do produto final!

A seguir, confira o passo a passo para implementá-lo na sua empresa.

Vamos lá?

3. 5 passos para criar um Mínimo Produto Viável (MVP)?

Agora que você sabe o que é MVP e o porquê de adotá-lo em sua startup, vem comigo que vou te apresentar os principais passos para a criação deste produto.

1° passo: reúna uma excelente equipe por trás desse projeto

2° passo: delimite as características da sua solução

3° passo: defina a razão de ser do MVP (por que ele existe?)

4° passo: coloque para rodar

5° passo: mensure os resultados obtidos

Os feedbacks dos usuários são uma base para realizar os devidos aprimoramentos do seu produto.

É neste momento que você utiliza dados para ter certeza que pode colocar sua solução no mercado sem correr tantos riscos.

Por fim, deixe de lado as soluções baseadas em achismos, opiniões, intuições, que tendem a colocar a sua empresa no caminho errado.

Com ajuda do MVP e da Lamego, que é uma plataforma de crowdwork (tarefas on demand), você tem acesso à inúmeras soluções e ideias do universo do Marketing Digital em um só lugar!

Conclusão

Neste artigo você ficou por dentro do que é e como funciona o MVP, e mais, descobriu também como implementá-lo na sua empresa.

Se surgir qualquer dúvida a mais sobre o assunto, não hesite em revisitar esse material e refrescar a memória.

Você também pode sempre procurar a gente!

Basta solicitar uma consultoria gratuita no colab19.com.br!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.